RJ – Lei Orgânica da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro

1702
20913
 Nota da ADEPOL/RJ:

Finalmente, após o prosseguimento do Julgamento dessa ADI nº 2.314, nesta semana, foi julgado constitucional o dispositivo da Constituição do Estado do Rio de Janeiro sobre a matéria. A ADEPOL/RJ acompanhou a tramitação desse processo nos últimos 10 anos. Diante disso, a Lei Orgânica da PCERJ poderá ser aprovada como Lei Complementar e não como lei ordinária como sustentou o Estado do Rio de Janeiro que entendia que havia ofensa ao parágrafo 7º do art. 144 da Constituição Federal.

Isto posto, esperamos que a lei orgânica da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro seja aprovada o mais breve possível.
O STF decidiu pela constitucionalidade por 6 votos a favor contra 5 contrarios.

Wladimir Sérgio Reale
Presidente da ADEPOL/RJ

► Constituição estadual pode exigir lei complementar além dos casos previstos na CF

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), por maioria, julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2314, na qual o governo do Rio de Janeiro questionava dispositivo da Constituição daquele estado que confere status de lei complementar à Lei Orgânica da Polícia Civil do Estado. O julgamento foi concluído na sessão plenária desta quarta-feira (17) com voto da ministra Cármen Lúcia.
O governo do estado sustentou que a norma constitucional estadual ofende o parágrafo 7º do artigo 144 da Constituição Federal (CF), que exige lei ordinária para a matéria, não sendo observado o princípio da simetria necessária. Alegou também que a regra cerceou a iniciativa legislativa do Poder Executivo.
Na ocasião do início do julgamento, em fevereiro de 2005, o relator do caso, ministro Joaquim Barbosa (aposentado), votou pela procedência da ação. Segundo Barbosa, a Carta estadual não observou “rigorosa” simetria que se exige das constituições estaduais na reprodução das regras da Carta Magna.

Votaram com o relator pela inconstitucionalidade do dispositivo constitucional estadual os ministros Eros Grau (aposentado), Gilmar Mendes, Ellen Gracie (aposentada) e Carlos Velloso (aposentado). O ministro Ayres Britto (aposentado) abriu divergência e considerou improcedente o pedido, sendo seguido pelos ministros Marco Aurélio, Cezar Peluso (aposentado) e Celso de Mello. Pedido de vista do ministro Sepúlveda Pertence (aposentado) suspendeu o julgamento, retomado em outubro de 2008 por seu substituto, ministro Menezes Direito (falecido), que acompanhou a divergência pela improcedência da ADI.
Retomada do julgamento
O Plenário do STF retomou hoje o julgamento da ação com o voto da ministra Cármen Lúcia, que acompanhou a corrente divergente. Não há na Constituição Federal a obrigatoriedade de lei ordinária para a matéria, “portanto, não haveria nenhuma contrariedade ou ofensa à Constituição na circunstância do constituinte estadual fixar que essa matéria seria tratada por lei complementar”, concluiu a ministra.

SP/FB

 

 

Fonte: Adepol/RJ